FILMES SELECIONADOS


Ser Trans

- Corpo Estranho (Vic Estevs + Aranha, 2017): Com o intuito de desconstruir uma realidade educativa ou sociossexual, quatro personas emprestam seus corpos, e dividem suas vidas, suas vozes, seus desafios de existir e sua resiliência política diante da leitura moralista e do conservadorismo cultural de gênero.

- Transbaixada (Renan Collier, 2016): O que é ser transexual na Baixada Fluminense? O curta documentário TRANSBAIXADA traz para frente das câmeras histórias de 3 mulheres trans que protagonizam sua vivências nesse território.

- Textura Drag (Sabrina Alvarez e Fernanda Martins, 2016): Este projeto documentário retrata como Drags se relacionam com sua imagem e com a transição entre gêneros (gênero fluido) a partir do artifício da prática da montagem. O objetivo é evidenciar memórias, propiciando um espaço para performance e discussões da forma mais fluída possível. Para isso, propomos que a gravação se dê em um teatro vazio, um lugar de cena e reflexão. A abordagem da caixa preta nesse filme se dá como uma suspensão no tempo exterior com um reconhecimento da manipulação das diretoras sobre os convidados, onde são pensados cenários específicos para cada conversa, que atuam como gatilho para lembranças das primeiras montações das drags e a construção dessas personalidades.

- Trincado (Rodrigo Lara, 2016): Cláudia não se sente totalmente completa. Desde a infância ela sofre calada, principalmente quando precisa enfrentar o espelho. Aos 38 anos é chegada a hora de renascer e sentir-se completo.

- Transcrição (Felipe Dutra e Iury de Carvalho Lobo, 2016): O filme retrata a inquietação de uma escritora, cuja procura por se reconhecer vai de encontro a sua própria vida revisitada pelas lembranças de infância, Beatriz Correia em meio aos seus 40 anos sente a necessidade de entender os sonhos que sua mãe teve pra si, e essa inquietação nos leva a refletir sobre a conduta geral de uma sociedade que insiste em nos moldar, e aprisiona mulheres.

Filme convidado:

- Bênção (Cauê Monteiro, 2017): Sob a Benção da hipocrisia segue a união do divino com o profano.

______________________________________________________________________________________Reflexos do Feminino

- Chagas (Otávia Souza, 2016): Através de uma performance artística, a angústia e as cicatrizes físicas e emocionais que o assédio e o estupro deixam na mulher são reveladas na luz negra.

- Calada da Noite (Isabella Geoffroy, 2016): E se as palavras marcassem o corpo como marcam a alma?

- Irmã (Nina Fachinello, 2016): Através de dados reais e de uma tragédia vivida por milhares de mulheres diariamente o curta "Irmã," traça um caminho de crítica ao machismo e ao mesmo tempo de empoderamento feminino. Necessário para todas as idades.

- Guerreiras do Cotidiano (Rômulo Norback, 2016): Neste documentário, Maria Orlandete e Lilian da Silva revelam os segredos de camelôs femininos que buscam, nas margens da rodovia BR 465, o sustento e a sobrevivência de suas famílias.

- Mercadoria (Carla Villa-Lobos, 2017): "Mercadoria" fala sobre as vivências de seis mulheres que trabalham com prostituição. O filme foi construído a partir de conversas com prostitutas da Vila Mimosa e busca mostrar o ponto de vista dessas mulheres com relação ao seu trabalho.

Filmes convidados:

- Arremate (Éthel Oliveira, 2017): Através da confecção de roupas que vão além do gênero, tramas de afetos se constroem entre a Baixada Fluminense e a Lapa.

- Casca de Baobá (Mariana Luiza, 2017): Maria, uma jovem negra nascida em um quilombo no interior do estado, é cotista na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Sua mãe, Francisca, leva a vida cortando cana nas proximidades do quilombo. As duas trocam mensagens para matar a saudade e refletir sobre o fim de uma era econômica-social. ____________________________________________________________________________________Cine Sexualidade

- Amanhã já é outono (Luciana Bezerra, 2014): Entre uma noite de sexo e uma carona para o trabalho, nasce o amor entre duas mulheres.

- Da minha pele (Rosa Miranda, Carol Rocha, Mi La e Allan de Souza, 2016): Vídeo poesia em homenagem ao Diego Vieira Machado, estudante de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, assassinado no Campus do Fundão em Junho de 2016.

- Netuno (Daniel Nolasco, 2017): O vento seco e a baixa umidade do ar ressecam a pele dos moradores de Catalão. Nas quartas-feiras, Sandro nada na única piscina da cidade. Foi à beira da piscina que conheceu Maicon. Sandro deseja Maicon.

- Pele suja minha carne (Bruno Ribeiro, 2016): João toma banho após mais uma pelada com seus amigos brancos.

- Pulso (Helena Cunha, 2016): L é uma jovem que tem seu otimismo constantemente testado pelo mundo intolerante que a cerca. Sobrecarregada por tanta violência e injustiça, ela decide abrir mão de si mesma e tornar-se insensível também, mas é trazida de volta por um inesperado ato de gentileza.

- Você (Felipe Cabral, 2017): Filmado com Iphone 6, o filme mostra uma jovem buscando compreender a morte de seu melhor amigo, vítima de homofobia.

(*) Filmes convidados não participam da votação por júri popular e não concorrem as bolsas na Escola de Cinema Darcy Ribeiro.